ISO 4406

INTRODUÇÃO ISO 4406

Nas últimas décadas, os equipamentos hidráulicos tiveram uma evolução marcante na busca de redução de peso, tamanho de seus componentes e pressões de trabalho. Para um mesmo tamanho nominal as válvulas tiveram sua capacidade de vazão duplicada ou triplicada e as pressões de trabalho aumentaram em 50% ou mais.

Atualmente existem bombas de engrenagens com capacidade de pressão de 250 bar a 300 bar. Caminhões modernos operam com bombas de combustível que chegam a 30.000 PSI, uma tremenda evolução, se pensarmos que há 10 anos operavam com pressões na ordem de 3.000 PSI.

Esta evolução foi alcançada através de grandes investimentos em pesquisa  e desenvolvimento de máquinas mais precisas e mais produtivas, que fabricam componentes e peças com alta precisão dimensional e geométrica, permitindo o uso de folgas menores e melhor balanceamento hidráulico. Como resultado obtemos menores vazamentos internos, maior precisão e maior velocidade nos movimentos.

Os comandos eletrônicos associados aos equipamentos hidráulicos, acrescentaram novas exigências de qualidade e precisão.

Em decorrência das menores folgas, os equipamentos hidráulicos se tornaram mais sensíveis aos contaminantes sólidos em suspensão nos fluidos e o controle dessa contaminação passou a ser indispensável para assegurar o funcionamento e a longa vida de válvulas, bombas e motores.

Há portanto a necessidade de se determinar, com clareza e precisão, qual o nível de limpeza que o fluido deve ter, para garantir o perfeito funcionamento dos sistemas hidráulicos.

Há muitos anos, organizações como NFPA, ASTM , SAE , ISO, NAS , entre outras, têm estabelecido critérios para determinar o nível de contaminação dos fluidos. Atualmente as normas internacionais mais aceitas são ISO 4406 a e NAS 1638 a , as quais passamos a comentar.

NORMA ISO 4406

Esta é uma das normas mais utilizadas na atualidade, por que supre as deficiências das normas anteriores e permite identificar, mais claramente, o nível de contaminação de um fluido. Algumas empresas adotam valores mais rigorosos, considerando também partículas maiores que 2 µm.

Esta norma classifica os níveis de contaminação pela quantidade de partículas maiores que 5µm e pela quantidade de partículas maiores que  15 µm  por 100 ml.

Desta forma a classificação ISO 4406 de um fluido é expressa com três números, por exemplo, (19)/17/14. O primeiro número indica a classe (ou quantidade) das partículas maiores que 2 µm , o segundo número a classe das partículas maiores que 5µm  , e o terceiro número a classe de partículas maiores que15 µm . No exemplo indicado teremos:

Classe

Numero de Partículas

Classe 19

De 250.000 a 500.000  partículas maiores que   2μm.

Classe 17

 De 64.000 a 130.000  partículas maiores que   5μm.

Classe 14

De 8.000 a 16.000  partículas maiores que  15μm.

É interessante notar que cada classe, ou nível, contém o dobro de partículas da classe anterior. Por exemplo:

Classe

Numero de Partículas

Classe16

De 32.000 a 64.000  partículas.

Classe 15

De 16.000 a 32.000  partículas.

Classe 14

De 8.000 a 16.000  partículas.

A quantidade de partículas de cada classe encontra-se na tabela abaixo.

Classe

De

Até

24

8 x 106

16 x 106

23

4 x 106

8 x 106

22

2 x 106

4 x 106

21

1 x 106

2 x 106

20

500 x 10³

1 x 106

19

250 x 10³

500 x 10³

18

130 x 10³

250 x 10³

17

64 x 10³

130 x 10³

16

32 x 10³

64 x 10³

15

16 x 10³

32 x 10³

14

8 x 10³

16 x 10³

13

4 x 10³

8 x 10³

12

2 x 10³

4 x 10³

11

1 x 10³

2 x 10³

10

500

1 x 10³

9

250

500

8

130

250

7

64

130

6

32

64

5

16

32

4

8

16

3

4

8

2

2

4

1

1

2

0

0,5

1

Creditos

  • Boletim Técnico – HDA ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS LTDA
  • ParkerStore
  • Caminhões Modernos
  • HYDAC – Automação Industrial